Maria deve ser mais conhecida nestes últimos tempos

Do Evangelho temos um breve relato que é, por vezes, usado pelos protestantes para tentar – em vão – provar a ordinariedade de Maria. Para os devotos frouxos, parecerá palavras embaraçosas; mas para os bons filhos desta Virgem, que meditam suas glórias amiúde e Lhe devotam amor a todo instante, contarão esta passagem entre suas prediletas de todo o Evangelho. Ei-lo:

“Enquanto ele [Jesus] assim falava, uma mulher levantou a voz do meio do povo e lhe disse: ‘Bem-aventurado o ventre que te trouxe, e os peitos que te amamentaram!’. Mas Jesus replicou: ‘Antes bem-aventurados aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a observam’.” (S. Lucas 11, 27s)

Onde Jesus parece rechaçar o elogio a sua mãe e tê-La como comum, na verdade, está Lhe dando a graça preciosa e ao mesmo tempo consoladora de ser humilhada por Deus. Para nós, homens de alma tal como carne (cf. TVD §79), isso é difícil de entender, pois frequentemente gememos contra Deus ao menor sinal de contradição de nossa vontade.

Como escrava (cf. S. Lucas 1, 38), a mãe de Nosso Senhor não se interessava em aparecer, mas fazer apenas Deus estar na consideração de todos, por meio de seu Filho Jesus. Pelo contrário, evitava qualquer atenção sobre Si, pois cria que qualquer atenção que causasse, seria atenção a menos a Deus.

Considerando isso, então qual não seria o sentimento de Maria quando Nosso Senhor rebateu a exclamação daquela mulher? Ademais, Nossa Senhora recebe de seu Filho uma dupla medalha: corporal e espiritual. Se por um lado Ela é corporalmente feliz por ter carregado em Si o Verbo eterno, também é espiritualmente bem-aventurada porque ninguém observou a Palavra de Deus com a diligência d’Ela. Por fim, hoje já não subsistem as razões para se ocultar Nossa Senhora, já que, como diz a sã sabedoria, os santos são Evangelho vivo.

São Luís Maria (cf. TVD §55) declara que nestes últimos tempos da história Maria deve ser mais conhecida e amada do que nunca; porque, como aurora (cf. Cânticos 6, 3.9), Ela precederá a vinda gloriosa de seu Filho. Tal como na primeira vinda Cristo veio por Maria, também na segunda vez virá por meio d’Ela. A primeira vez, veio de modo oculto, mas Maria deve refulgir nestes derradeiros dias (cf. TVD §49).

Enquanto nós mesmos não fazemos caso do nosso estado espiritual e vivemos cada dia igual ao outro, o Diabo sabe que está a ficar sem tempo (cf. TVD §§50-51). Ele empenhará esforços para arrastar à perdição os últimos homens maiores que os nossos próprios em nos mantermos na justiça – isso nos deveria fazer entender quanto trabalho damos ao nosso Anjo particular. Contudo, para frustrar as ciladas dos demônios, Nossa Senhora há de formar e educar seus escravos para operar coisas extraordinárias (cf. TVD §35).

E para fazer esta excelsa Senhora mais célebre e amada, seu exército de devotos deve, absolutamente, ser expandido. Façamos, portanto, neste mês de Maria, o propósito de conhecermos e difundirmos a Verdadeira Devoção a Nossa Senhora. O Centro Anchieta quer ser prestadio nesta causa e já consagrou várias de suas ações ao maior louvor do Imaculado Coração. Podemos todos, pois, tirar proveito das graças deste mês juntos!

Sigla: TVD – Tratado da Verdadeira Devoção à Stma. Virgem.

Deixe uma resposta

Fechar Menu
×

Carrinho